obra parada

Como evitar obra parada

Quase sempre o problema da obra parada está relacionado a erros de planejamento, que resultam em uma gestão deficiente e geram perda de receita.

Mão de obra parada é resultado da falta de material, que é gerada por um orçamento defasado, alteração de projeto e falha no processo de compras. A causa também pode ser a má utilização do material da construção.

Se a quantidade requerida não seguir o previsto no orçamento, acarretará material não utilizado, que pode depreciar ou virar entulho. Por outro lado, se a quantidade for inferior ao necessário, uma segunda compra para pequena quantidade pode resultar em preço unitário mais caro.

Para economizar na construção civil, você tem que pensar no estoque. Um estoque cheio significa comprometimento de dinheiro antes do necessário, o que pode afetar outros pagamentos ou aplicações.

Dicas para amenizar as perdas com materiais:

  • Prepare-se para dias de chuva e tenha sempre um plano de ações em locais cobertos. Se a obra for totalmente exposta, considere uma margem de erro no tempo previsto em caso de chuva;
  • Garanta que os materiais e equipamentos sejam transportados corretamente pelo canteiro e evite deslocamento de material em longos trajetos;
  • Programe as compras necessárias para toda a obra;
  • Lembre-se de que comprar tudo de uma vez pode reduzir o custo de compra, mas a compra em etapas pode reduzir o desperdício com mudanças de projeto;
  • Busque melhorar a gestão de compras por meio de um sistema de gestão;
  • Integre o controle de estoque ao planejamento de atividades;
  • Embora os atrasos nos projetos chamem mais a atenção do que quando estão dentro do cronograma, os profissionais da construção devem estar cientes dos diferentes graus de paradas não programadas nas obras e do que as causa, a fim de evitar o maior número possível delas;
  • Algumas paradas de construção simplesmente não podem ser evitadas, mas os danos que elas causam podem ser mitigados com o planejamento adequado, comunicação e aplicativos de software. Outra alternativa é contar com um parceiro com experiência no ramo;
  • Quando as empresas de construção civil estão preparadas, os atrasos se tornam mais curtos e menos frequentes, ajudando-as a permanecer no prazo e dentro do orçamento. Por sua vez, quanto mais dentro do cronograma seu projeto está, seu ROI aumenta e sua empresa tem mais tempo e recursos para ganhar mais trabalho.

 

Fonte: https://www.sienge.com.br/blog/9-dicas-para-economizar-na-construcao-civil
http://enecengenharia.com.br/blog/paradas-nao-programadas-nas-obras-industriais
Imagem: https://drupalelephant.com/demo_construct/?q=node/6

 

card para o blog

Devicenet na automação industrial

DeviceNet é um protocolo de comunicação aberto utilizado em automação industrial para troca de dados entre dispositivos de controle. É uma ferramenta que está no contexto da nova indústria digital, automação 4.0, pilares da automação, e de toda a cadeia de valor do negócio.

Ela utiliza Controller Area Network (CAN), e define uma camada de aplicação para cobrir uma faixa dos perfis de dispositivos. Aplicações típicas incluem troca de comunicação, dispositivos de segurança, e controle de entrada/saída de redes.

Em 1990, a empresa Allen-Bradley-Rockwell Automation foi responsável pelo desenvolvimento do protocolo DeviceNet utilizando o CAN como padrão para sua criação. A Allan-Bradley utilizou o CAN como a camada física do DeviceNet, criando uma camada física bem robusta.

Além de ter criado uma tecnologia aberta para todos os fabricantes com baixo custo de implementação permitindo diversas topologias, cabos e outras flexibilidades.

De fato, notamos que no campo, o DeviceNet é mais utilizado em sensores e atuadores simples.  Mas ao mesmo tempo, podemos encontrar dispositivos mais complexos conectados a rede DeviceNet, como alguns modelos de medidores de vazão Coriolis.

 

Configuração da rede DeviceNet

DeviceNet-Schematic_800w

A maneira como você configura seus dispositivos DeviceNet pode variar de acordo com fatores como, o tipo de sistema de controle que você possui.Quando você compra um dispositivo para o DeviceNet, ele terá um MAC ID. Depois de configurar o dispositivo, você também precisará definir a rede onde planeja instalar o equipamento.

Além de outros dados, como o identificador de classe, teremos também o identificador de instância e o identificador de atributo. Depois disso, é necessário acessar o sistema de controle e adicionar o DeviceNet scanner.

Em seguida, o software navegará na rede, localizará todos os dispositivos conectados ao driver e, assim por diante.

 

FONTE: https://automacaoecartoons.com/2018/10/03/rede-devicenet/

carros autonomos vantagens e desafios

As vantagens e desafios dos carros autônomos

Será que os carros autônomos vão se tornar o padrão de locomoção nas grandes cidades?

Saberemos a resposta em pouco tempo, pois o nível de testes de grandes empresas do setor automotivo e de tecnologia estão em estágios avançados. Vamos conferir um pouco sobre essa tendência além de suas vantagens e desvantagens.

Um carro autônomo (às vezes chamado de automóvel autodirigido, automóvel automático ou veículo autônomo) é um veículo robotizado. Ele é projetado para viajar entre destinos sem que o motorista precise fazer algum esforço. Para se qualificar como totalmente autônomo, um veículo deve poder navegar sem intervenção humana para um destino predeterminado por estradas que não tenham sido adaptadas para seu uso.

Algumas empresas que desenvolvem e testam carros sem interferência do condutor são:

  • Audi
  • BMW
  • Ford
  • Google
  • General Motors
  • Volkswagen

Observe que há seis montadoras tradicionais e uma empresa de tecnologia como intrusa na lista.

Contudo, esta empresa não se encaixa no grupo de fabricantes, embora tenha os projetos de carro autônomo mais famosos.

Em 2015, o Google fez um teste envolvendo uma frota de carros auto-dirigidos: seis Toyota Prius e um Audi TT.

Ambos circularam por mais de 300 mil quilômetros de ruas e rodovias da Califórnia, nos Estados Unidos.

Para a grata surpresa de todos, apenas um acidente ocorreu durante uma das raras ocasiões.

Outro teste de mais de 1.000 milhas (1,6 mil km) foi concluído com sucesso sem intervenção humana.

Vantagens possíveis

As principais vantagens associadas ao desenvolvimento de veículos autônomos incluem:

  • Redução dos acidentes de trânsito provocados por fatores humanos;
  • Possibilidade de deficientes (motoras ou visuais) utilizarem o automóvel sem auxílio de terceiros;
  • Aumento da produtividade já que o condutor pode realizar outras atividades durante o processo de navegação;
  • Otimização dos recursos veiculares através da utilização adequada dos componentes.
  • Aumento da capacidade de tráfego das vias com a redução das distâncias entre os veículos, em função de menor tempo de reação para frenagens.

Desafios

Os principais desafios apresentados no desenvolvimento dos veículos autônomos incluem:

  • Definição das responsabilidades legais sobre os eventos provocados pelo veículo;
  • Ajuste da legislação de trânsito para tratar os veículos autônomos;
  • Desenvolver sensores de maior capacidade de percepção das condições de tráfego, principalmente de pedestres e ciclistas.

 

Fontes:

https://doutormultas.com.br/carro-autonomo-7-curiosidades-tecnologia/

https://noticias.ne10.uol.com.br/coluna/difusao/noticia/2017/08/22/carros-autonomos-seres-nem-tanto-710739.php